Especialidade da medicina dentária que diagnostica, previne e trata os problemas de oclusão, normalmente designados como maloclusão, isto é, anomalias na articulação dentária (encaixe dos dentes), assim como das disfunções temporomandibulares (ATM), articulação do maxilar inferior com a base do crâneo, situada junto ao ouvido.

 

QUAIS OS SINTOMAS DE PROBLEMAS DE OCLUSÃO?

  • Dor facial (músculos da face);
  • Dor na zona temporal do craneo ( músculo temporal, zona lateral do craneo acima e á frente do ouvido);
  • Dor ao mastigar;
  • Dificuldade em abrir a boca;
  • Ruídos na articulação junto ao ouvido ao abrir ou fechar a boca;
  • Cansaço dos músculos faciais;
  • Dor de cabeça.

PERGUNTAS FREQUENTES

Oclusão, pela definição do dicionário, refere-se ao acto de fechar, ocluir.
Em medicina dentária traduz-se de uma forma estática pelo contacto das superfícies dentárias, quando os maxilares fecham.
O termo oclusão também pode ser analisado por uma perspectiva funcional que envolve os dentes assim como outras partes do sistema mastigatório, durante os vários movimentos possíveis.

As articulações temporomandibulares (ATM, ligam o maxilar inferior à base do crânio ) fazem parte de um conjunto ósseo-dento- músculo-articular, que designamos por aparelho mastigatório.
Este é constituído por três sistemas:

  • O sistema dentário, relacionado com a oclusão dentária;
  • o sistema ósseo-articular (maxilar superior, inferior e ATM);
  • e o sistema neuromuscular (os músculos relacionados com a mastigação e o sistema nervoso de controlo e coordenação)

É mais do que um orgão da mastigação, pois representa um sistema multifuncional que se auto-regula e desempenha um papel fundamental no organismo humano.
É uma unidade funcional composta pelos dentes, pelas estruturas que os circundam e suportam:

Maxilares, músculos da mastigação, lábios, músculos da língua, sistema vascular e nervoso de todos esses tecidos.

Os músculos são ativados pelos impulsos nervosos e realizam a atividade funcional deste sistema. Por outro lado os maxilares com os dentes integrados e seus tecidos de suporte, assim como as articulações temporomandibulares (ATM, articulação entre o maxilar inferior e o crânio) e os ligamentos associados são a ferramentas passivas.
O equilibrio entre estes componentes é da maior importância na manutenção da saúde e da capacidade funcional do sistema mastigatorio.

As superfícies oclusais constituem a parte ativa do dente, cujo objectivo é favorecer a função de mastigação, fundamental para a nutrição. A função oclusal depende da posição das arcadas dentárias, da organização dos dentes em cada arcada e com a antagonista. Esta organização existe para optimizar a função mastigatória. No entanto este aparelho mastigatório desenvolveu outras capacidades funcionais no sentido de melhorar a nutrição, com as suas fases de apreensão, sucção, dilaceração, trituração e deglutição. Estas funções são realizadas pela anatomia oclusal específica das diferentes áreas das arcadas, incisivos, caninos, pré-molares e molares, permitindo com eficácia a secção a dilaceração e a trituração dos alimentos.Do alinhamento correcto das duas arcadas dentárias depende uma boa coordenação. Por outro lado a organização curvilínea das arcadas nos três planos do espaço associados a movimentos dentários correctos, resulta uma notável eficiência com diminuição da intensidade e do tempo de aplicação de forças mastigartórias.

Para além da preservação de todo o sistema mastigatório, a estabilidade e a precisão da oclusão facilitam o trabalho muscular e optimizam a fase de deglutição.
O bom funcionamento deste aparelho depende do equilíbrio dos seus diferentes componentes, estando todos relacionados e interdependentes.

A literatura refere-se frequentemente à oclusão normal como uma oclusão ideal imaginária que raramente se encontra na vida clinica. Este conceito de oclusão normal representa um modelo teórico, com o propósito pedagógico, ao qual a oclusão terapêutica pretenderá aproximar-se.

Não, a capacidade adaptativa do nosso organismo, assim como as terapêuticas usadas em medicina dentária permitem sistemas de oclusão funcionais diferentes da referenciada oclusão normal.

Designamos por oclusão fisiológica:
Trata-se de uma oclusão natural ou terapêutica (conseguida através de tratamento), sem anomalias ou apresentando uma ou mais adaptações, mas que não ultrapassam o potencial adaptativo, ou são compensadas por um comportamento adequado. Habitualmente encontra-se umas das duas seguintes situações:

  • Uma relação de oclusão natural ou terapêutica próxima daquela que é descrita como normal, ou que cumpre as características gerais da oclusão funcional.
  • Ou uma oclusão de conveniência, assim chamada por ser diferente da oclusão normal, mas permite as funções orais, apesar da presença de anomalias de oclusão, sem no entanto provocar danos estruturais.

Caracteriza-se por uma ou várias anomalias da oclusão, ultrapassando o potencial adaptativo do indivíduo podendo originar, manter ou contribuir para o aparecimento de rupturas estruturais assim como distúrbios ao nível funcional do aparelho mastigatório.

Durante a vida o sistema dentário adapta-se de forma a compensar o desgaste sofrido com a sua utilização. O contínuo movimento dentário movimento dos dentes para a linha média, a erupção compensadora ( movimento para fora do osso com sentido de compensar desgaste nas faces mastigatórias dos dentes), e a alteração da forma como ocluem, denotam um esforço continuo e permanente para manter equilíbrio físico adequado do sistema durante as nossas vidas. A capacidade adaptativa do aparelho mastigatório face a algumas situações em que o tratamento se torna invasivo, é mais uma demonstração de adaptabilidade do sistema.

CORPO CLÍNICO

Dr. Hugo Gomes
Dr. Hugo GomesMédico Dentista
Endodontia
Dentisteria
Odontopediatria
Joana Tomás
Joana TomásAssistente Dentária